Indústria têxtil expande cultivo do algodão colorido para atender o mercado de decoração sustentável

Sob o luar do sertão o sonho da farta colheita foi realizado. A última grande seca na Paraíba durou seis anos, mas desta vez a estiagem não impediu que o algodão colorido germinasse no solo árido da cidade de São Bento. Para o agricultor Flaviano Alves, que estava com dificuldades pela falta de água e ausência de financiamento, o projeto de expansão do plantio do Algodão Colorido da Paraíba surgiu, em suas palavras, “como uma luz no fim do túnel”. Ele recebeu as sementes gratuitamente e colheu este mês uma safra de cerca de 1200 quilos. Agora já planeja dobrar a produção. A motivação vem da prática de contrato de compra garantida com pagamento imediato na entrega – o que dá credibilidade e traz entusiasmo aos agricultores.

Desde o início do ano, a empresa têxtil Santa Luzia Redes e Decoração vem espalhando sementes na região. O projeto de expansão do cultivo inclui 40 famílias que trabalham em sistema de agricultura familiar em assentamentos, associações e comunidade quilombola. Ao todo, 20 hectares foram plantados. A colheita total de cerca de 24 toneladas de algodão colorido será transformada em fios, tecidos, utilitários e acessórios de decoração vendidos para o mercado nacional e internacional.

Armando Dantas, CEO da empresa, já tem a experiência bem sucedida com o plantio e colheita do algodão colorido. Desde 2012 ele trabalha neste sistema com os agricultores do Assentamento Margarida Maria Alves, em Juarez Távora, também no semiárido, em uma área de 18 hectares. “Ampliar a produção garante o atendimento ao mercado de decoração sustentável, mas também é a realização de um sonho. Trata-se de resgatar a cultura da agricultura familiar e do cultivo do algodão que fez história no nosso Estado”, diz.

O projeto denominado “Santa Luzia do Algodão Colorido” inclui novos 20 hectares: Comunidade Quilombola da Terra Nova, Comunidade Genipapo dos Lúcios, entre outras várias associações. O plantio iniciado no final de fevereiro, culminou no Dia de Campo, em 28 de junho, com a terra repleta de plumas. O evento reuniu instituições públicas e privadas atraiu a atenção de outros agricultores interessados no cultivo da planta que a empresa transforma em redes e acessórios de decoração para o mercado nacional e internacional.

O apoio das instituições ajuda a movimentar a cadeia produtiva

O Dia de Campo é um dia especial para multiplicar saberes compartilhando narrativas e processos. A Santa Luzia Redes e Decoração, por exemplo, antes de implementar o projeto, buscou apoio para criar condições favoráveis frente a ambiente climático vulnerável. Da administração municipal de São Bento e Brejo da Cruz vieram os tratores para cortar o resistente chão. “É importante fazer valer o resgate de uma marca histórica de São Bento, que é o algodão colorido da Paraíba”,  confirmou o prefeito Jarques Lúcio.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), desenvolvedora das sementes, contribuiu com conhecimento. “O algodão colorido é uma planta resistente à seca e pode ser cultivada com pouca água — desde que essa pouca água seja ministrada ao cultivo na época certa”, explica o agrônomo Gilvan Ramos, da Embrapa Algodão. Como nenhuma das áreas têm irrigação, é preciso que seja plantado antes da temporada de chuvas, ainda que ela seja escassa na região.

O apoio do Governo do Estado foi recebido por meio de técnicos agrícolas da Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer). A instituição tem a função de transferência de tecnologia, possibilitando que a propriedade tenha lucro e renda. “A Empaer tem o papel de organizar o sistema de produção orgânica, proporcionando aos agricultores familiares técnicas de manejo agroecológico de baixo custo, com melhoria na produtividade e que garanta Segurança Alimentar”, declarou Jefferson Ferreira, diretor de assistência técnica e extensão rural da Empaer.

Para o agricultor Paulo de Lima, 58 anos, que no passado viu a sua experiência com plantação de arroz e bananeira evaporar junto com a água do rio Piranhas, afluente da cidade, agora há uma nova perspectiva. “Antes era tudo desorganizado. A gente colhia e não tinha comprador, apenas atravessador”. No meio rural, a figura do atravessador não é bem vista porque, apesar de fazer a ponte entre o agricultor e os meios de distribuição e comercialização, na maioria das vezes não paga o agricultor de forma justa.

A Santa Luzia Redes e Decoração já planeja dobrar a área plantada em 2020. E também continuar pleiteando junto aos órgãos públicos o apoio para que os agricultores adquiram uma descaroçadeira. “Os caroços de algodão servem como base para ração de vacas leiteiras e bois de engorda. Este é um ótimo mercado. Os compradores viajam 1700 km para comprar caroços na Bahia. Como estamos a apenas 70 km de distância, estamos perdendo oportunidade de novos negócios”. O empresário, que trabalha na empresa o conceito da sustentabilidade, sabe que as atividades agrícolas nesta região têm indicadores de fragilidade. “O projeto tem potencial para garantir sustentabilidade econômica, social e ambiental. Mas não dá para fazer sozinho. É preciso garantir parcerias que proporcionam condições de operacionalização para os agricultores, trata-se de uma relação de interdependência onde juntos, somos fortes”, esclarece.

Santa Luzia Redes e Decoração

Sobre Santa Luzia Redes e Decoração

Santa Luzia Redes e Decoração produz redes e produtos para decoração de forma ética, responsável e sustentável, com o uso do algodão colorido orgânico e fios de algodão reciclado.

Santa Luzia Redes e Decoração

Acesse nossas mídias sociais e fique por dentro de tudo o que acontece na Santa Luzia Redes e Decoração: