#NaMídia | Santa Luzia é destaque em matéria da FOLHA DE SÃO PAULO

Santa Luzia Redes e Decoração

Retalhos e materiais naturais ganham espaço em artigos para casa. Feira para lojas e hotéis Abup destaca algodão orgânico, PET reciclado e aparas de couro.

Por : Mara Gama para Folha de São Paulo

O consumidor está mais interessado em saber a origem do que come, bebe, veste e usa, no corpo e na casa. Para contemplar essa tendência, uma das maiores feiras de objetos para casa destinados a lojistas e hotéis do Brasil inclui em seu cardápio mais produtos com componentes sustentáveis.

Cecilia Rima é uma das criadoras da feira Abup (Associação Brasileira das Empresas de Utilidades e Presentes), que tem sua 37ª edição de 15 a 19 de agosto em São Paulo. Ele garimpa objetos há 20 anos em fornecedores na China, na Índia e no Vietnã. “Há 4 ou 5 anos, eu não via a preocupação com sustentáveis em meus clientes. Hoje, nas feiras internacionais, há estandes inteiros dedicados a esses produtos”, diz.

“Não é só uma moda, e sim consciência de uma nova forma de consumir: menos e de maneira mais racional. As pessoas querem saber mais sobre o caminho do produto, como ele foi feito”, afirma.

“Meu próprio foco como compradora foi mudando. Buscava artigos com bons preços e que tivessem mercado garantido para revender. Com o tema da sustentabilidade mais presente, comecei a procurar artesanato original dentro do Brasil e com isso conhecer e valorizar o trabalho de comunidades de artesãos”, relata. “Tem sido um novo aprendizado. O artesão vive e cria seus filhos na região onde produz.

Sua preocupação com o meio ambiente é diferente da nossa. Para ele, a proteção da natureza é vital”, diz.

Mirando neste mercado de objetos que são produzidos por comunidades de artesãos, gerando emprego e renda locais, Cecilia se prepara para lançar uma nova marca, a Rima Casa, na feira High Design, nos dias 28, 29 e 30 de agosto. Artesanato feito com piaçava, látex, retalhos de jeans e couro fazem parte do lançamento.

Marco Pulchério, que atua há 25 anos na agência comercial Marco 500 e hoje representa 32 iniciativas de designers e artesãos, leva para esta edição da Abup alguns produtos que têm produção sustentável, como os itens em retalhos de couro de Jacqueline Chiabay.

“Aumentou a procura por peças únicas, com história, e itens naturais, sem revestimento, sem sintéticos”, afirma.

Pulchério orienta os artistas que representa a valorizarem a história de suas produções na comunicação com os clientes. Mas acha que são ainda poucos os consumidores que estão ligados na origem dos produtos. “No mercado da decoração, vêm em primeiro lugar o ineditismo, a surpresa e o preço.”

Retalhos dos retalhos

Jacqueline Chiabay leva pela segunda vez seus produtos para a Abup este ano.

A artesã decidiu, há 20 anos, produzir algo com as aparas de couro que sobravam das roupas que costurava. Começou fazendo tiras e com elas tecendo peças. O negócio das aparas foi dando certo e ela passou a comprar retalhos de outros fabricantes, para fazer almofadas, bolsas, banquetas, e itens de decoração.

Em meados dos anos 1990, fincou seu ateliê na região de Viana, no Espírito Santo, e arregimenta trabalhadoras donas de casa e agricultoras para dar conta de grandes encomendas. A equipe fixa tem 5 pessoas, mas em períodos de alta produção pode chegar a 150 envolvidas.

Jacqueline não vende gato por lebre. “O descarte do couro é problemático, pois em seu processo de fabricação é usado o cromo, poluente e tóxico. Nossa produção é sustentável por dar uma segunda vida, ou mais duração, a um material que já estava produzido, mas não é ecológica.”

O preço final é uma vantagem para o consumidor. Enquanto uma bolsa feita de retalhos sai por R$ 300,00, o mesmo modelo em couro integral pode chegar a R$ 700,00.

Foi durante um programa desenvolvido pelo Sebrae local que Jacqueline teve um segundo estalo: pegar os retalhos de seus retalhos e dar a eles também uma finalidade. Assim começou o projeto Novas Marias, que levou o artesanato para dentro de penitenciárias femininas.

Jacqueline criou uma técnica de corte de peças pequenas que ela chama da lantejoulas de couro. Instrui as detentas a fazer os cortes, que serão usadas como adereços nas peças que ela produz no ateliê.

O projeto já passou pelo presídio feminino de Tucum, na Grande Vitória, de 2008 a 2010, pela penitenciária feminina de Cariacica, de 2010 a 2014, pelo centro de detenção provisório feminino de Viana, de 2014 a 2017. O centro de detenção masculino de Vila Velha 3 também se encarrega de dar suporte ao projeto, produzindo a parte de marcenaria de bancos e banquetas que recebem as almofadas feitas com aparas.

“Acho que tivemos nos últimos anos um avanço na valorização do trabalho artesanal”, diz. Por isso, em seus produtos, usa etiquetas que contam toda a história da produção.

Colorido natural

Do sertão da Paraíba vêm os produtos da Santa Luzia, empresa que Armando Dantas formou em 1986 e que terá estande na feira. Atualmente são três linhas de produtos: com material reciclado, com algodão natural e com algodão natural e orgânico.

Nos primeiros dez anos, para fazer redes de dormir, jogos americanos, roupa de cama, mantas, almofadas e cortinas eram usados algodão cru e empregados corantes e alvejantes. No final do processo, esses líquidos de lavagem dos produtos eram descartados diretamente no esgoto.

Há cerca de 20 anos, quando começaram a aparecer os fios reciclados de polyester de PET no Brasil, vindos da China, Dantas mudou a forma de trabalhar e incorporou-os em sua produção. Não foi somente pela sustentabilidade, por parar de poluir, mas também pela praticidade e preço final mais atraente.

Para fazer a linha que emprega reciclados, são usados fios feitos da junção de fibras provenientes de retalhos de roupas prontas e do polyester de PET. Como a cor já vem dos retalhos, não é necessário tingir os tecidos.

Stand Santa Luzia Redes e Decoração na ABUP

“Hoje a palavra reciclado é chave. Chama a atenção. Quando começamos a usar, as confecções pagavam para que retirássemos seus retalhos. Hoje elas já vêm valor nos resíduos, separam por cor e os desfibram, para que possam ser trabalhados na montagem de fios de fibra mais longa, para confecções”, conta.

Dantas também revende os fios de polyester da China e diz que o mercado têm crescido muito. “80% das minhas vendas são de redes que usam essa matéria prima. O preço final dos produtos justifica – as redes de materiais reciclados vão de R$ 45 a R$ 400 e as de algodão orgânico vão de R$ 90 a R$ 500.
A produção de reciclados é a maior. Foram 35 toneladas de produtos em 2017, contra 22 toneladas em 2016.

O preço mais caro do orgânico – 3 vezes o preço do reciclado – é o necessário para “manter remuneração justa” para as 32 famílias de agricultores assentados em uma área de 40 hectares cuidando da produção, toda manual. Embora em menor quantidade, também crescem as vendas de algodão natural e de orgânico. Em 2016, foram 11 toneladas e, em 2017, 16 toneladas.

O uso do algodão colorido orgânico tem também outra vantagem. Ele já nasce com nuances do bege ao marrom. Com isso, o processo de tecelagem economiza 87% no consumo de água comparado à produção convencional com tingimento químico.

Destaque aos produtos de Algodão colorido da Santa Luzia

“O consumidor está mais consciente. Tem gente que, ao ouvir a nossa história, já decide comprar. Em 2 anos, o nosso algodão vai ganhar o mundo”, diz Dantas.

Objetos de cultura

“Objetos com significado são mais guardados”, diz a crítica e curadora Adélia Borges. Para ela, o interesse pelos sustentáveis começou há muito tempo fora do Brasil e vem crescendo internamente.

Ela pode ver esse movimento através de uma amostragem. Há dois anos, Adélia faz curadoria da loja do Museu de Arte de São Paulo (Masp), e tem três linhas de produtos: produtos feitos por designers em cooperação com artesãos, produtos feitos por comunidades de artesãos e artesanato indígena.

“Lá você não encontra gadgets como os que são vendidos em outras lojas de museus. A loja tem premissas diferentes. Pautamos nossas escolhas pela sustentabilidade ambiental e social, aliada ao caráter estético, ao preço bom e à alguma continuidade de produção para atender ao mercado”, diz.

“Colocamos etiquetas explicando de onde vêm os produtos, quem os fabrica, onde. Não tenho dúvidas de que as pessoas se interessam pela história. Prova disso é que a loja é um sucesso comercial”, afirma.

para ler a matéria na Folha de São Paulo acesse: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/08/retalhos-e-materiais-naturais-ganham-espaco-em-artigos-para-casa.shtml

Para conhecer mais sobre a Santa Luzia Redes e Decoração : www.redesantaluzia.com.br

Empresa da Paraíba oferece produtos sustentáveis feitos com algodão colorido orgânico e fios reciclados nas maiores feiras de decoração do país

Santa Luzia Redes e Decoração

A Santa Luzia Redes e Decoração saiu de São Bento, na Paraíba, e foi para o Vale do Paraíba, em São Paulo, para produzir o seu mais novo catálogo de produtos. O lançamento será nas feiras ABUP Home & Gift, de 18 a 21 de fevereiro e ABUP Têxtil, de 20 a 23 de fevereiro, ambas realizadas na capital paulistana. O material promocional tem 56 páginas e apresenta toda a diversidade de peças da empresa com produtos têxteis utilitários e decorativos.

É a primeira vez que a equipe se desloca para fazer a ambientação de seus produtos fora do Estado da Paraíba – onde a fábrica produz redes e mantas há mais de 30 anos. “Escolhemos produzir o material em Campos do Jordão, em um clima de montanha, para mostrar que os nossos produtos dialogam em qualquer espaço. A rede não é somente um utilitário relacionado ao Nordeste ou ao verão. Ela faz parte da decoração, trazendo conforto e bem-estar também para o olhar”, explica Armando Dantas, CEO da Santa Luzia Redes e Decoração.

Para garantir espaço em vários ambientes de todo o país, a empresa investe no design com propostas inovadoras e acabamentos artesanais. No entanto, nos estandes desta edição, ganham destaque as mantas e colchas com seus padrões e texturas diferenciadas com uso de fios ecologicamente corretos. “Nossa produção tem como base a sustentabilidade. Além de garantir a presença do artesanato, usamos fios de algodão colorido orgânico certificado e fios de retalhos de tecidos de algodão reciclados”, ressalta o empresário.

As feiras têm como público-alvo distribuidores e lojistas. O foco é ampliar a carteira de clientes da região Sudeste e Sul.

Há vários anos consecutivos expondo nas feiras da ABUP – que se tornaram a principal vitrine para vendas em atacado da empresa. “Tratam-se das melhores feiras que participamos no Brasil”, confirma Armando. O empresário também está determinado a vender fios reciclados nestes eventos. A empresa aproveita a estrutura e o aparato para criar oportunidades agendando encontros com potenciais clientes. “As regiões Sudeste e Sul são polos industriais. Há várias possibilidades de parceria com compradores de outras fábricas têxteis. Novos clientes costumam ser convidados para ir aos estandes para checar o resultado do uso do fio reciclado. O estande também é o nosso showroom para quem procura estes fios de composição diferenciada como o de algodão e PET reciclados”, esclarece.

A Santa Luzia Redes e Decoração acredita que 2018 se inicia com boas perspectivas na Economia. A ABUP Home & Gift e ABUP Têxtil são referências no segmento e também são termômetros para medir tendências de vendas. Alguns dados indicam que o clima do comércio está positivo. Segundo a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), a projeção é de 5% no crescimento do varejo. Para se garantir no mercado nacional e internacional, a marca aposta em seu diferencial. “Neste ambiente competitivo em que atuamos, temos nos destacado por oferecer produtos com matéria-prima ecologicamente correta, com a presença do trabalho manual, artesanal, mas em escala industrial. Estamos em busca de clientes que estejam alinhados com nossos valores, já que o consumidor está mais maduro e conectado — exigindo inovação e produtos éticos e sustentáveis. Por isso, acreditamos no sucesso da nossa participação nestes eventos”, conclui Armando.

ABUP Home & Gift >> 18 a 21 de fevereiro de 2018
São Paulo Expo – Rodovia dos Imigrantes, km 1.5, SP
5º ABUP Têxtil >> 20 a 22 de fevereiro de 2018
Rua Samaritá, 230, Casa Verde, São Paulo – SP
SAIBA MAIS SOBRE FIOS RECICLADOS E O ALGODÃO COLORIDO NO SITE
www.redesantaluzia.com.br

Santa Luzia Redes e Decoração cria redário para seleto público de congressistas e pesquisadores

Santa Luzia Redes e Decoração

Em agosto, a Santa Luzia Redes e Decoração participou do maior evento de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Eficiência Energética (EE) do setor elétrico do Brasil. Durante o IX Citenel e V Seenel criou um redário no Centro de Convenções de João Pessoa – PB para acolher congressistas e pesquisadores que se dedicaram ao tema “Inovação e Integração: Respostas Locais a Barreiras Globais”.

A Santa Luzia Redes e Decoração participou promovendo conforto aos quase três mil inscritos de várias regiões do Brasil. Todos puderam vivenciar a experiência do balanço das redes — até mesmo o Secretário de Energia do Ministério de Minas e Energia, Fábio Lopes Alves, e Thiago de Barros Correia, diretor da Aneel, estiveram na mostra e conheceram o espaço.

O convite à Santa Luzia Redes e Decoração garantiu também visibilidade do seu principal produto rede a um seleto público de empresas de energia elétrica e instituições. Nesta edição, organizada pela Distribuidora Energisa, foram 27 estandes divulgando suas inovações tecnológicas. Para a empresa têxtil Santa Luzia tratou-se de uma oportunidade de demonstrar sua produção inovadora que tem como norte a sustentabilidade.

“Fomos convidados para estar no evento porque trabalhamos com um produto regional, de fabricação local, mas sobretudo pela forma inovadora que desenvolvemos nossos produtos. As nossas redes, entre outras peças utilitárias e decorativas, são feitas com fios de retalhos de tecidos de algodão das sobras das confecções mesclados com fios de garrafas PET recicladas. Ao se adotar o uso desta matéria-prima, optamos pelo conceito de sustentabilidade com economia de recursos”, explica Armando Dantas, CEO da Santa Luzia. Os fios usados na confecção das peças são de resíduos da indústria. E, como os fios já são coloridos, elimina-se a etapa de aquecimento de água, economizando energia.

Outra matéria-prima é o algodão colorido orgânico, cuja pluma já nasce colorida, sem uso de aditivos e corantes. “Trata-se de um produto inovador porque a produção no campo não é irrigada. Do plantio à tecelagem, a economia de água chega a 87,5%. Na indústria têxtil é o tingimento e o uso da água que causam grande impacto ambiental. Trabalhamos para evitar isso”. O objetivo da empresa é ir além, por isso o CEO anuncia em breve a instalação de painéis fotovoltaicos na fábrica para aproveitar a energia solar e, assim, economizar ainda mais energia elétrica.

Redes do Nordeste estão no Green Nation Fest

Santa Luzia Redes e Decoração

A Santa Luzia Redes e Decoração marcou presença no Green Nation Fest realizado de 24 a 27 de novembro no Museu do Amanhã e Pier Mauá, no Rio de Janeiro. O evento, que acontece a cada dois anos, tem como propósito  engajar pessoas em torno do tema sustentabilidade.

A empresa de São Bento, na Paraíba, entrou como parceira no projeto com o objetivo de endossar o movimento. “Nossa proposta sempre foi a sustentabilidade. Nossos produtos têm como base o algodão colorido orgânico e também os fios reciclados feitos com algodão desfibrado e reconstituídos com garrafas pet”, explica Armando Dantas, CEO da Santa Luzia Redes e Decoração. Ele também ressalta a importância do trabalho de Marcos Didonet, idealizador e diretor do Green Nation. “O Didonet é um exemplo para todos nós. Ele começou este projeto quando ninguém acreditava no tema. E sustentabilidade não é um modismo, é uma necessidade humana”, diz.

O tripé da sustentabilidade

A sustentabilidade só existe a partir do triplé definido há 22 anos pelo britânico John Elkington: pessoas, planeta e negócios. “Sem planeta não há pessoas e sem pessoas não há negócios”, ele define. Ou seja, para produzir de forma sustentável é preciso pensar no aspecto ambiental, econômica e social. O processo produtivo da Santa Luzia Redes e Decoração segue esta orientação. “A nossa proposta sempre foi usar matéria-prima orgânica ou reciclada para produzir sem danos ambientais e aproveitar todos os resíduos para novos produtos. É importante ter atitude de respeito ao meio ambiente e aos trabalhadores. E garantir que a produção seja economicamente viável e socialmente justa para todos. Isso significa que todos os envolvidos na cadeia produtiva têm que ganhar”, explica Armando.

O convite para expor no Green Nation veio de Geni Rodio Ribeiro, conselheira do movimento e também consultora da Santa Luzia Redes e Decoração para o mercado internacional. Ela comenta que o movimento para a sustentabilidade deve se expandir e se tornar uma plataforma. “O objetivo é também aproximar as marcas sustentáveis dos grandes compradores do mercado”.

No Green Nation as redes da Santa Luzia Redes e Decoração foram espalhadas no cais do Pier Mauá. E na instalação “Ateliê Moda Sustentável” o algodão colorido e os fios reciclados estão ao lado de tecidos sustentáveis da empresa.

O evento tem programação extensa e intensiva, com palestras e debates, mas também tem de simuladores de passeios por geleiras a mostra de filmes. De acordo com Didonet, o festival tem como objetivo sensibilizar pessoas, empresas e organizações de maneira lúdica e interativa porque o entretenimento é uma excelente ferramenta para impactar pessoas sobre questões ambientais. “A intenção é mobilizar mais pela sensação do que pela informação”, conclui o diretor do Green Nation Fest.

Veja o vídeo oficial do evento: https://youtu.be/Qx102fhgttw

 

Empresa paraibana leva criatividade e inovação para maior feira do mundo de produtos para jardinagem e decoração na Alemanha

Santa Luzia Redes e Decoração

 

Cada vez mais alinhada com o conceito de economia sustentável a Santa Luzia Redes e Decoração participa, entre os dias 04 a 06 de setembro, do evento Spoga+gafa na cidade de Colônia-Alemanha. Considerada a maior feira de jardinagem e decoração do mundo, os produtos que fazem sucesso em todo o Brasil e em outros países, serão mostrados para cerca de 40 mil visitantes de 110 países, que se reúnem para ver de perto o que há de mais inovador e bonito em matéria de paisagismo e decoração de áreas externas. O setor movimenta mais de R$ 2,5 bilhões no Brasil.

Com o diferencial de trabalhar com matéria prima ecologicamente correta como algodão colorido orgânico e fios reciclados a partir de retalhos de tecidos e mesclados com garrafas PET, a empresa vai expor produtos como redes de dormir, mantas, xales para sofás, tapetes, jogos americanos, cortinas e almofadas. “Estamos certos do sucesso da feira e da nossa participação”, assegura Armando Dantas, CEO da empresa. “Há tempos que víamos como uma grande oportunidade, pois o mercado está muito carente de propostas inovadoras e de empresas que buscam a satisfação do cliente”, assegura.

A expansão da marca é um dos motivos para os investimentos no mercado internacional. “Acredito que estamos aptos a ocupar este espaço, pois nossa empresa está no mercado há 30 anos atendendo diretamente os consumidores em nossas sete lojas nas cidades de São Bento e João Pessoa (PB), Fortaleza (CE), Natal (RN) e Brasília (DF), além de contar com uma equipe capacitada para atender o mercado nacional e internacional”, revela Dantas.

A participação na Spoga+gafa é uma das estratégias para conquistar o mercado europeu, cujos consumidores enxergam a produção sustentável como um diferencial competitivo. “Dispomos atualmente de toda uma cadeia produtiva exclusiva, desde a matéria-prima até a finalização das peças.

O fio de algodão colorido orgânico é adquirido de assentamentos e comunidades que trabalham com a Agricultura Familiar e os fios reciclados comprados de empresas têxtil são acrescidos de material proveniente de garrafas PET. A empresa também conta com fábrica exclusiva em outro país, tecelagem própria e mão de obra de  artesãs capacitadas, que são  parceiras desde a sua fundação e fazem os acabamentos manuais dos produtos, transformados em verdadeiras obras de arte”, finaliza o CEO.

A Feira – A Spoga+gafa é a maior feira mundial de produtos e acessórios para jardim. Acontece anualmente em Colônia, Alemanha e conta com a participação de 2.012 expositores de 56 países e cerca de 40.000 visitantes de 110 países. Com uma área total de 240.000 m² a exposição é dividida em quatro áreas temáticas: Garden Unique, Garden Creatin e Care, Garden Living e Garden BBq e fungrill.

 

Colaboradores da Santa Luzia Redes e Decoração são orientados sobre a importância de uso de Equipamentos de Proteção Individual

Santa Luzia Redes e Decoração

 

Os colaboradores da empresa Santa Luzia Redes e Decoração, em São Bento, no sertão paraibano, deram uma pausa no trabalho para aprender um pouco mais sobre a importância de usar os Equipamentos de Proteção Individual. A palestra promovida pelo juiz, e gestor do programa Trabalho Seguro do Tribunal do Trabalho da Paraíba, George Falcão, revelou que diariamente mais de 40 pessoas são afastadas de suas funções em razão de acidentes ou doenças relacionadas ao trabalho.

O CEO da empresa Armando Dantas elogiou a iniciativa. “Era algo que jamais imaginei que aconteceria. A visão dos empresários é que a instituição antes chegava somente para cobrar, para julgar. E agora realmente estamos vendo que os tempos mudaram, que é preciso um trabalho de reeducação para que os direitos e deveres de empregadores e de empregados sejam garantidos”, ressaltou.

Dantas ressaltou a responsabilidade das empresas e instituições promoverem o Comércio Justo, “ Em nossa empresa todos os trabalhadores são registrados. Em São Bento, a maioria das fábricas são informais, (empresa familiar, máquinas em algum espaço da sua própria residência ) , onde as próprias famílias tocam os negócios e por isso pensam que, por serem da mesma casa, não há a necessidade da formalização.

Com esse trabalho do TRT, essas empresas informais/familiares vão se conscientizar e descobrir os benefícios que terão” disse.

A ação – Durante dois dias, o Tribunal do Trabalho da Paraíba esteve em São Bento, no alto Sertão do Estado, com ações educativas na feira livre, escola estadual e fábrica de redes, além de realizar audiências em ações trabalhistas iniciadas no município.

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do TRT Paraíba

Redes de dormir da Santa Luzia Redes e Decoração estão na Moda

Redes de dormir da Santa Luzia Redes e Decoração estão na Moda

Santa Luzia Redes e Decoração

As redes de dormir entraram na passarela transformadas em roupas pelas mãos do estilista João Pimenta. A coleção foi exibida na 41ª SPFW com a parceria da Santa Luzia Redes e Decoração, que ofereceu tecidos de algodão colorido orgânico e de fios reciclados de algodão / garrafas pet (em parceria com a Natural Cotton Color).

Estilista João Pimenta faz visita técnica à fábrica da Santa Luzia Redes e Decoração

Estilista João Pimenta faz visita técnica à fábrica da Santa Luzia Redes e Decoração

Santa Luzia Redes e Decoração

Em janeiro de 2016 a Santa Luzia Redes e Decoração recebeu a visita de João Pimenta que veio a Paraíba conhecer algumas etapas da cadeia produtiva do algodão orgânico colorido. Recepcionado por Armando Dantas (CEO), na sede da empresa, localizada na cidade de São Bento no sertão paraibano, o estilista conheceu os produtos feitos com matérias primas sustentáveis, algodão orgânico colorido e algodão reciclado.

Nossas redes garantiram ótimas vendas na ABUP Têxtil

Nossas redes garantiram ótimas vendas na ABUP Têxtil

Santa Luzia Redes e Decoração

Com o objetivo de fortalecer e ampliar o mercado têxtil do Brasil, a Associação Brasileira das Empresas de Utilidades e Presentes – ABUP, lançou em 2016 a ABUP Têxtil. A Santa Luzia Redes e Decoração marcou presença nesta primeira edição do evento que já está se tornando uma das principais feiras de produtos acabados e matérias-primas na linha Casa.

Redes de algodão colorido orgânico fazem sucesso em feira de produtos naturais na Califórnia

Redes de algodão colorido orgânico fazem sucesso em feira de produtos naturais na Califórnia

Santa Luzia Redes e Decoração

Em março, a Santa Luzia Redes e Decoração participou da 35ª Natural Products, na Califórnia. Foram levados para a maior feira de produtos naturais e orgânicos dos EUA, mantas, xales para sofás, tapetes, jogos americanos e almofadas produzidos em algodão colorido orgânico certificado pelo Instituto Brasileiro Biodinâmico – IBD além de tecidos reciclados – algodão extraído de sobras da indústria têxtil mesclados com garrafas PET.

1 2

Santa Luzia Redes e Decoração

Acesse nossas mídias sociais e fique por dentro de tudo o que acontece na Santa Luzia Redes e Decoração: